O professor é sagrado!

Por *Mozart Tanajura Jr

Outro dia fiz uma palestra na cidade de Anagé por ocasião do Fórum Fé e Cidadania, promovido pela Paróquia São João Batista. A temática por mim abordada tinha como propósito oferecer uma reflexão em torno das políticas públicas destinadas à educação. Muitos professores e professoras presentes, assim como vários outros profissionais da educação, se mobilizaram e lá estiveram para participar do evento. Em um de meus colóquios fiz ressoar uma verdade: O professor é sagrado! Não contive a emoção ao proferir aquela verdade. Fiquei como que em estado de êxtase, pois parecia que algo divino havia tomado força e inspiração dentro de mim. Os educadores presentes também se sensibilizaram e num gesto espontâneo aplaudiram não a mim, mas aquela assertiva verdadeira: “O professor é sagrado!”. Voltei pra casa pensando naquilo que havia dito. Algo que transcendia minha razão. Uma verdade que inebriava o meu âmago e fazia crescer dentro de mim uma esperança inexplicável e tão forte e pura quanto o caminhar das águas em sua correnteza.

O que deveria fazer com esta verdade revelada? Em tempos tecnológicos, resolvi postar a frase para ver a sua aceitação. Não poderia ser diferente do dia em que a fiz ressoar em Anagé. Muitos educadores captaram o sentido essencial da mensagem e a multiplicaram como no evangelho de nosso Senhor, um por dez, dez por cem, cem por mil… A semeadura estava feita! Mas é preciso continuar a semear.

Muitos governantes nas mais diversas esferas ainda não perceberam – não sei se por ignorância ou covardia – que o professor é sagrado, intocável, um elo entre o céu e a terra, um instrumento do Criador na arte de transmitir a sapiência à humanidade. Não foi à toa que Jesus, o Cristo, foi chamado de Mestre. O magistério é uma das mais insignes profissões de todos os tempos. É a atividade docente que nos faz ter a plena convicção de que sempre buscaremos alcançar os recônditos mistérios do saber, pois enquanto existir um professor a Sabedoria continuará a percorrer o seu itinerário no coração da humanidade. Hoje, fala-se muito em substituir o homem pela máquina, mas não acredito que o ser humano prescindirá da presença transformadora e libertadora do professor em seu futuro.

Diante disso, faço um apelo aos governantes em todos os níveis: escutem e dialoguem com o Sagrado, e verão que um dos filhos do Sagrado sofre com a falta de atenção e valorização: o professor. Tenham diante de seus planos de governo essa premissa fundamental: O professor é sagrado! Ao professor todo nosso respeito e veneração.

Bom seria se em cada cidade houvesse em seu pórtico um monumento destacável em honra aos professores que marcaram vidas naquele lugar, para que todas as gerações formadas jamais se esquecessem de que o Professor é sagrado!

*Mozart Tanajura Júnior é mestre em Letras pela UESB e graduado em Letras, Filosofia , Teologia e Gestão Pública. É membro titular da Academia Conquistense de Letras.



Bahia, Conquista, Destaques, Educação, Política, Vitória da Conquista

Comentário(s)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *