Prefeito Light, deputado magro, governador com fome. No fim, o bode cozido foi à salvação

Por Luan Vinícius – Estudante de Jornalismo da Uesb

1465060_720131614682092_1585618841_n

O governador da Bahia, Jaques Wagner, esteve nesta sexta-feira, 8, na cidade de Malhada de Pedras para, já ao fim de seu mandato, inaugurar obras financiadas pelo governo estadual. Obras, claro, de grande significância para a população malhada-pedrense, como por exemplo: a adutora que, agora, diminui os problemas de seca no município com a água advinda da barragem de Cristalândia, em Brumado.

Atraso. O evento estava marcado para 11h, mas começou às 12h. Coisa normal. Afinal, o governador está com agenda lotada, e antes de pousar de helicóptero em Malhada de Pedras esteve no distrito de Sussuarana para inauguração de postos de saúde. A causa foi boa, por isso a população perdoou o atraso, apesar de ter que suportar o sol escaldante e a fome que só crescia na hora do almoço.

Descido do helicóptero, cumprimentado algumas lideranças políticas da região e trocado duas ou três palavras com o prefeito de Malhada de Pedras, Valdecir (Ceará) Alves Bezerra, o governador deu a cantada: “vamos seguindo que já estamos atrasados. Ceará, e o bode, já está pronto?” cantada aceita, com grande sorriso Ceará respondeu: “É claro!” e meio assustado (não sei porquê) Wagner concluiu: “É mesmo?! Que bom!”.

Seguiram para a sede da Embasa, inauguraram a adutora, foram até a Praça Monsenhor Fagundes, para também inaugurá-la e, já com a população envolta e um pouco mais de tumulto, um grupo com faixa pedindo água para a cidade de Piripá, além de inúmeros políticos querendo sair na foto oficial e de toda imprensa regional, ali presente, o governador enfim conseguiu tirar a roupa da placa e dizer que a praça estava inaugurada.

A terceira praça a ser inaugurada, a Praça Quadrangular, não obteve visitante e, mesmo sem vê-la, o governador disse que a referida estava “com certeza” linda. Da última inauguração todos foram em direção ao palco para proferirem seus discursos.

Os primeiros a falar foram os mais interessados em ocupar a cadeira de governador no pleito 2014-2017: o chefe da casa civil, Rui Costa, e o presidente da Assembléia Legislativa da Bahia, deputado Marcelo Nilo. É claro, em seus discursos, ambos agradaram e encheram a bola do chefe.

O deputado estadual João Bonfim também discursou. Cheio dos agradecimentos a todos os presentes, antes de encerrar sua fala, voltou-se para o deputado Waldenor Pereira e deu seu recado: “Meu caro amigo, deputado Waldenor, agora, quando você vier em Malhada de Pedras não precisa mais tomar banho em Vitória da Conquista. Em Malhada já tem água!”. É isso aí deputado, só esqueceu-se de avisar para não demorar no banho. Com gestos simples e sorriso disfarçado, Waldenor agradeceu o conselho do amigo.

Após os deputados José Raimundo e Waldenor Perreira falarem, seguiu o prefeito Ceará. Todo orgulhoso e bem aprumado, falou de sua insistência junto ao governo estadual, pedindo a realização de obras na cidade. No auge de seu discurso, disse ser um “político diferente”, um “prefeito ligth” que gosta da verdade e “odeia político mentiroso”. Ao seu lado estava o deputado João Bonfim, apenas para mostrar, ao vivo, que “light” mesmo era ele, com sua magreza lembrada por todos que discursaram.

Com fome declarada algumas vezes e após posar para inúmeras fotos em seu momento “celebrit”, Wagner pegou o microfone para findar os discursos e mais uma vez reafirmou a fome que lhe incomodava. Era tão clara a fome do governador que, ao lembrar-se do “light” proferido pelo prefeito Ceará, disse que ele anda cheio de políticos que são como “moscas rodeando o pão doce na padaria”. Falou de suas obras realizadas, das que se findarão até o termino de seu mandato e, com aplausos, despediu-se da população.

Após entrevista coletiva concedida à imprensa, o governador tirou mais algumas fotos e, com a fome que lhe possuía, foi, supostamente, direto para a casa do prefeito, afinal, um bode cozido lhe esperava.


Artigos, Bahia, Política, Sudoeste, Vitória da Conquista

Comentário(s)